MARIELLES

por - 21 março

MARIELLES

Mulher preta discursando o que o povo sente.

Ativista social, militante cultural que incomoda a tirania... Cabelo solto, identidade, pé no chão, comunidade e cidadania.

Sonhos reais, bandeiras de luta, moral e conduta. Prática e ideais em desafios urbanos, desenhando na prática do cotidiano um suspiro pelos direitos humanos.

Duas doses desse vigor, duas vezes por pensamento, amor e empoderamento... 

Querem fazer a carnavalização dos direitos como uma mensagem corriqueira, uma cena passageira de uma ala; mas se esquecem que nossos sonhos são à prova de bala.

Mulher semente, não como flor no vaso, mas na beleza da mulher que tem lado; que bate de frente com aqueles de pensamento raso.

Gente de muitas vozes que encara os cães ferozes que oprimem; gente da quebrada, negra, pobre, da comunidade, da favela, bolsista, da realidade social, forte, vibrante, homossexual, sua tribuna é a rua, votada, eleita, socialista e de tino referencial.

Nem precisa me dizer tudo que ela fazia, seu legado vira pauta da ordem do dia, vira resistência e poesia. Diga o que ela ainda FAZ:  protestos, dedo na ferida, passeatas, mulher incluída  e um grito de paz. Vamos conjugar esse verbo direito! Sim é por direitos; nosso luto e nossa luta... Justiça social é seu manto, conhece o drama social, a fila do hospital e da favela o pranto, somos todos Marielle Franco.

Tiago Ortaet
20/03/2018

VEJA TAMBÉM

0 comentários