Ministério da Cultura pesquisa o impacto econômico e social dos CEUs

por - 06 março


 
 
O Ministério da Cultura (MinC) quer saber o impacto dos Centros de Artes e Esportes Unificados (CEUs) sobre os indicadores socioeconômicos nos locais onde foram construídos. Para isso, fechou uma parceria com a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) para realizar uma pesquisa em todas as regiões. O Brasil tem, atualmente, 152 CEUs e outros 182 estão em construção em 169 municípios e no Distrito Federal, 40 deles com previsão de inauguração ainda neste ano.
 
A pesquisa da UFPE, prevista para ser concluída até o fim do ano, vai abordar quatro questões: o retorno educacional dos jovens e adolescentes engajados nos projetos dos Centros (frequência escolar, evasão, desempenho); os efeitos na inserção no mercado formal de trabalho e retornos salariais; as implicações dos CEUs sobre indicadores de saúde e criminalidade; e os reflexos nos indicadores de bem-estar social (como iluminação pública, crescimento econômico, entre outros). 
 
A análise será feita com base em informações de diversas bases de dados nacionais, comparando, por exemplo, municípios com perfis semelhantes e o que mudou com a entrada dos CEUs nessas localidades. O objetivo da ação é aprimorar o programa, tornar o gasto público mais eficiente e ainda gerar conhecimento sobre políticas públicas. 
 
"A parceria [com a UFPE] permitirá ao Ministério ter uma ferramenta mais robusta do ponto de vista científico para mensurar o impacto econômico e social dos CEUs", destaca o secretário de Infraestrutura Cultural do Ministério da Cultura, Alfredo Bertini. "Esse trabalho será feito de uma maneira que vai muito mais além do que fazemos normalmente, que é acompanhar e monitorar os CEUs com informações qualitativas. Vamos cruzar com outras fontes secundárias importantes, como o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e outras pesquisas existentes, para termos uma aferição melhor sobre este impacto", explicou. 
 
Sobre os CEUs
 
Também chamados de Praças CEUs, os Centros de Artes e Esportes Unificados (CEUs) abrigam, em um único espaço, programas e ações culturais, esportivas, educacionais, socioassistenciais e de lazer. Em geral, são construídos em regiões com alta vulnerabilidade econômica e social e com poucos ou nenhum equipamento cultural ou esportivo para a população de baixa renda.
 
Os centros contam com biblioteca, cineteatro (48, 60 ou 125 lugares), laboratório multimídia, salas de oficinas, espaços multiuso, Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) e pista de skate. Os CEUs maiores (de 3 mil e 7 mil m²) também contam com quadra de eventos coberta, playground e pista de caminhada.
 
Além da possibilidade de melhoria de infraestrutura, os moradores das proximidades dos CEUs passam a ter acesso a cursos de artes e esportes, oficinas, exposições, acervo bibliográfico, filmes, práticas esportivas e assistência social. 
 
Avaliações anteriores
 
Nos anos de 2015, 2016 e 2017, o próprio Ministério da Cultura realizou pesquisas com os gestores dos CEUs para entender melhor como é o dia a dia deles e o que necessitam para manter os centros em pleno funcionamento. A mais recente delas foi realizada entre outubro de 2017 e janeiro de 2018, com 131 Praças CEUs de 21 Unidades da Federação. 
 
O levantamento com os gestores dos CEUs identificou que: 
  • 93,8% dos Centros são utilizados para ensaios, oficinas ou apresentações de grupos da comunidade, independente das atividades programadas; 
  • 83% do público são crianças (0 a 14 anos) e jovens (15 a 29 anos), 33,8% e 49,2%, respectivamente. 
  • 1.277 pessoas é a média de frequentadores das praças semanalmente;
  • 420 pessoas é a média de inscritos em atividades em cada Praça; 
  • Em 58% dos CEUS, a comunidade ajuda na conservação do local.
FONTE: Assessoria de Comunicação 
Ministério da Cultura

VEJA TAMBÉM

0 comentários