Prefeitura e Instituto Federal abordam direitos humanos com alunos


Cerca de 80 alunos do Instituto Federal de São Paulo (IFSP) participaram de palestra sobre Direitos Humanos, no auditório do Campus Guarulhos, na Vila Rio de Janeiro, nesta segunda-feira (26). O evento teve como palestrantes o secretário de Assuntos Difusos, Lameh Smeili, o representante mexicano do projeto “Jóvenes por los Derechos Humanos”, Maurício Mendes, o professor de automação e diretor substituto do IFSP, Wilson Carlos, o diretor da Trupe Ortaética, Thiago Ortaet, que abordaram o respeito à Declaração Universal dos Direitos Humanos.
 
“Precisamos conhecer os 30 artigos da declaração para divulgarmos ao próximo. Podemos iniciar esse exercício na família, com amigos e além deles”, propôs Mendes, que está percorrendo diversos países com campanha de divulgação da Declaração dos direitos humanos, que em dezembro completa 70 anos.
 
O secretário Lameh, por sua vez, apresentou a missão, visão e valorização da Secretaria, alertou sobre edificações sem acessibilidade que desrespeitam o direito de ir e vir do cidadão e apontou o preconceito como um dos maiores problemas na sociedade, em relação ao ser humano. “Formam-se juízo das pessoas sem conhecê-las”, afirmou. Com uma frase de Nelson Mandela, sobre cultura de amor e ódio, o secretário reafirmou que “o jovem é quem vai mudar essa nação para melhor”.
 
O papel da cultura como desenvolvimento humano foi o tema escolhido por Ortaet para falar dos projetos itinerantes de arte envolvendo a comunidade e diversas gerações. O diretor da Trupe também credita à juventude o canal capaz de mudar o mundo. “Não é utopia, é realidade”, afirmou.
 
A importância da arte e do diálogo e sobre direitos humanos para acabar com discursos odiosos ganhou destaque na palestra, que foi complementada por vídeos das atividades apresentadas pelos palestrantes.
Imagens:Divulgação

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COLETIVO DIVERSOS É REFLEXÃO POR UMA SOCIEDADE MAIS JUSTA

ATIVIDADE DE ANÁLISE CRÍTICA - ENSINO MÉDIO (durante a quarentena)