EXPOSIÇÃO EM HOMENAGEM À BOSCO MACIEL - CURADORIA TIAGO ORTAET

por - 08 julho


O FAZEDOR DE IMAGENS

O menino na beira do rio, se banha diante do sol do sertão, compõe no ato brincante a imagem da brasilidade; da essência, do antes, do durante e do depois. Seu ideal tem a mistura de um baião de dois; uma seresta, um sarau e uma festa; a simplicidade do feijão com arroz.
O fazedor de imagens cata coisas pela rua, cata-vento dos tempos de outrora, pra ser feliz não tem hora, tem pressa, tem a letra no lugar certo do conto, ele que tudo vê, que tudo junta, tem nova peça, tem um transbordamento de coisas que faz arrevoada de utopias, de sonetos e poesias...
Nordestino que revigora em surrupios de traquinagens, em seu caminho, muitos sim e outros não; todos em devoção; todos em arte que irriga seu coração... Muitos mergulhos em não arengar com seu destino, o cumpre como o escultor que faz a imagem no entalhe na madeira, no detalhe de sua pintura derradeira...
Ele desenha nos veios, busca matérias e meios, repousa sobre o ócio criativo, instantes e devaneios, o homem-verbo brinca com o substantivo; do país que leio, ele leu primeiro; para o ato cultural não tem aperreio! 
O pé descalço no solo rachado trouxe o folclorista, a pele enrugada da noite passarada trouxe o cantador, romanceiro sonhador; de verso sempre renovado, artista iluminado, que cria e conta, que atrai gente, que reza o repente.
Lar de cajazeiras, com as guarulhadas de suas mãos criativas, seus bonecos, livros e liberdade; nesse lar adentramos, estampada sua verdade no deleite de seus amores mais simbióticos, nos seus cômodos e insights, intempéries e sinapses do ato criador; lá está em todo lugar, em cada objeto, em casa-objetivo...  A muvuca criativa do mestre cantador floresce seu interior, seu ato de amor, seja no eco de sua oratória, seja na sua fé, no lastro de sua arte, de sua eloquência em toda parte, romeiro que segue de pé...   
Melodias emanadas da sanfona, com seu ato profético que deseja vir à tona; como o artista que não rejeita o palco, a lona, não nega seu destino e cumpre com a leveza de um menino que a magia proporciona...
Devoto da cultura popular, brincante na vida, realizador, predestinado,  como a pipa que baila no céu, , como o ato cortês de tirar o chapéu, segue seu compasso; seu amor em cordel, valei-me Bosco Maciel.

Tiago Ortaet
Junho 2019

VEJA TAMBÉM

0 comentários