TEXTO REFERÊNCIA TEÓRICA PARA PROJETO BRASA RUBOR

por - 12 agosto


A COR VERMELHA NA HISTÓRIA E NA ARTE
Vermelho é a cor no final do espectro visível de luz, ao lado de violeta laranja e oposta. Tem um comprimento de onda dominante de aproximadamente 625 a 740 nanômetros. É uma cor primária no modelo de cores RGB e no modelo de cores CMYK e é a cor complementar do ciano. Os vermelhos variam desde o vermelho brilhante de vermelho-amarelado e vermelhão até o vermelho-vermelho-azulado, e variam na sombra do rosa vermelho pálido ao vinho vermelho-escuro. O céu vermelho ao pôr do sol resulta da dispersão de Rayleigh, enquanto a cor vermelha do Grand Canyon e outras características geológicas são causadas por hematita ou ocre vermelho, ambas as formas de óxido de ferro. O óxido de ferro também dá a cor vermelha ao planeta Marte. A cor vermelha do sangue provém da hemoglobina proteica, enquanto os morangos maduros, as maçãs vermelhas e as folhas avermelhadas de outono são coloridas pelas antocianinas.
Pigmento vermelho feito de ocre foi uma das primeiras cores usadas na arte pré-histórica. Os antigos egípcios e maias coloriram seus rostos em cerimônias vermelhas; Generais romanos tinham seus corpos coloridos de vermelho para celebrar vitórias. Também era uma cor importante na China, onde era usada para colorir a cerâmica primitiva e depois os portões e paredes dos palácios. No Renascimento, os trajes vermelhos brilhantes para a nobreza e os ricos eram tingidos com kermes e cochonilha. O século XIX trouxe a introdução dos primeiros corantes vermelhos sintéticos, que substituíram os corantes tradicionais. O vermelho também se tornou a cor da revolução; A Rússia Soviética adotou uma bandeira vermelha após a Revolução Bolchevique em 1917, mais tarde seguida pela China, Vietnã e outros países comunistas.
Como o vermelho é a cor do sangue, historicamente tem sido associado ao sacrifício, perigo e coragem. Pesquisas modernas na Europa e nos Estados Unidos mostram que o vermelho também é a cor mais comumente associada ao calor, atividade, paixão, sexualidade, raiva, amor e alegria. Na China, na Índia e em muitos outros países asiáticos, é a cor que simboliza a felicidade e a boa sorte.
História e arte
Pré-história
Dentro da caverna 13B em Pinnacle Point, um sítio arqueológico encontrado na costa da África do Sul, paleoantropólogos em 2000 encontraram evidências de que, entre 170.000 e 40.000 anos atrás, pessoas da Idade da Pedra estavam raspando e moendo ocre, um vermelho cor de barro por óxido de ferro. provavelmente com a intenção de usá-lo para colorir seus corpos.
Pó de hematita vermelha também foi encontrado espalhado pelos restos mortais em um túmulo em um complexo de cavernas de Zhoukoudian, perto de Pequim. O site tem evidências de habitação há 700 mil anos. A hematita pode ter sido usada para simbolizar sangue em uma oferenda aos mortos.
Vermelho, preto e branco foram as primeiras cores usadas pelos artistas na idade do Paleolítico Superior, provavelmente porque os pigmentos naturais, como o ocre vermelho e o óxido de ferro, estavam prontamente disponíveis onde as primeiras pessoas viviam. Madder, uma planta cuja raiz pode ser transformada em um corante vermelho, cresceu amplamente na Europa, África e Ásia. A caverna de Altamira na Espanha tem uma pintura de um bisão colorido com ocre vermelho que data entre 15.000 e 16.500 aC.
Um corante vermelho chamado Kermes foi criado a partir do período neolítico, secando e depois esmagando os corpos das fêmeas de um inseto de pequena escala do gênero Kermes, principalmente Kermes vermilio. Os insetos vivem da seiva de certas árvores, especialmente os carvalhos Kermes, próximos à região do Mediterrâneo. Frascos de kermes foram encontrados em um enterro na caverna neolítico em Adaoutse, Bouches-du-Rhône. Kermes de carvalhos foi mais tarde usado pelos romanos, que importaram da Espanha. Uma variedade diferente de corante foi feita a partir de insetos da escala Porphyrophora hamelii (cochonilha armênia) que viviam nas raízes e caules de certas ervas. Foi mencionado em textos já no século VIII aC, e foi usado pelos antigos assírios e persas.
Kermes também é mencionado na Bíblia. No livro do Êxodo, Deus instrui Moisés a fazer com que os israelitas lhe tragam uma oferenda incluindo panos “de azul, púrpura e carmesim”. O termo usado para escarlate na versão da Vulgata Latina do século IV da passagem bíblica é coccumque bis tinctum, que significa “colorido duas vezes com coccus”. Coccus, do grego antigo Kokkos, significa um grão minúsculo e é o termo que foi usado nos tempos antigos para o inseto vermelhão Kermes usado para fazer o corante de Kermes. Essa também foi a origem da expressão “tingido no grão”.
História antiga
                    
No antigo Egito, o vermelho estava associado à vida, à saúde e à vitória. Os egípcios coloriam-se com ocre vermelho durante as celebrações. As mulheres egípcias usavam o ocre vermelho como cosmético para corar as bochechas e os lábios e também usavam hena para pintar os cabelos e pintar as unhas.
Mas, como muitas cores, também teve uma associação negativa, com calor, destruição e maldade. Uma oração a deus Isis afirma: “Ó Isis, proteja-me de todas as coisas más e vermelhas”. Os antigos egípcios começaram a fabricar pigmentos em cerca de 4000 aC. O ocre vermelho era amplamente utilizado como pigmento para pinturas murais, particularmente como a cor da pele dos homens. Uma paleta de pintor de marfim encontrada dentro do túmulo do rei Tutancâmon tinha pequenos compartimentos com pigmentos de ocre vermelho e cinco outras cores. Os egípcios usavam a raiz da rubia, ou planta mais louca, para fazer um corante, mais tarde conhecido como alizarina, e também o usavam como um pigmento, que ficou conhecido como lago mais louco, alizarina ou carmim alizarina.
Na China antiga, os artesãos produziam cerâmica pintada de vermelho e preto logo no período da cultura de Yangshao (5000–3000 aC). Uma tigela de madeira pintada de vermelho foi encontrada em um local neolítico em Yuyao, Zhejiang. Outros objetos cerimoniais pintados de vermelho foram encontrados em outros locais que datam do período da Primavera e Outono (770-221 aC).
Durante a dinastia Han (200 aC-200 dC), os artesãos chineses fizeram um pigmento vermelho, tetróxido de chumbo, que eles chamavam de chenen tan, aquecendo o pigmento branco de chumbo. Como os egípcios, eles faziam um corante vermelho da planta mais louca para colorir tecidos de seda para vestidos e usavam pigmentos coloridos com roupas mais furiosas para fazer laca vermelha.
O pigmento vermelho de chumbo ou tetróxido de chumbo foi amplamente utilizado como o vermelho em pinturas em miniatura persas e indianas, bem como na arte européia, onde foi chamado de minium.
Na Índia, a planta rubia tem sido usada para fazer tinta desde os tempos antigos. Um pedaço de algodão tingido com rubia datado do terceiro milênio aC foi encontrado em um sítio arqueológico em Mohenjo-daro. Ele tem sido usado por monges e eremitas por séculos para pintar suas vestes.
Os primeiros habitantes da América tinham seu próprio corante vermelho vivo, feito da cochonilha, um inseto da mesma família dos Kermes da Europa e do Oriente Médio, que se alimenta da Opuntia, ou planta do cacto da pera espinhosa. Têxteis tingidos de vermelho da cultura Paracas (800-100 aC) foram encontrados em túmulos no Peru.
O vermelho também apareceu nos enterros da realeza nas cidades-estados maias. Na Tumba da Rainha Vermelha, no interior do Templo XIII, na arruinada cidade maia de Palenque (600-700 dC), o esqueleto e os itens cerimoniais de uma nobre mulher estavam completamente cobertos com pó vermelho brilhante feito de cinábrio.
Na Grécia antiga e na civilização minóica da antiga Creta, o vermelho era amplamente usado em murais e na decoração policromada de templos e palácios. Os gregos começaram a usar chumbo vermelho como pigmento.
Na Roma Antiga, a púrpura de Tyrian era da cor do imperador, mas o vermelho tinha um importante simbolismo religioso. Os romanos usavam togas com listras vermelhas nos feriados, e a noiva em um casamento usava um xale vermelho, chamado de flammeum. O vermelho era usado para colorir as estátuas e a pele dos gladiadores. O vermelho também era a cor associada ao exército; Soldados romanos usavam túnicas vermelhas, e os oficiais usavam um manto chamado paludamentum que, dependendo da qualidade do corante, podia ser carmesim, escarlate ou púrpura. Na mitologia romana, o vermelho é associado ao deus da guerra, Marte. O vexilóide do Império Romano tinha um fundo vermelho com as letras SPQR em ouro. Um general romano que recebia um triunfo tinha todo o seu corpo pintado de vermelho em homenagem ao seu feito.
Os romanos gostavam de cores vivas e muitas villas romanas eram decoradas com murais vermelhos vívidos. O pigmento usado em muitos dos murais era chamado de vermelhão e provinha do mineral cinábrio, um minério comum de mercúrio. Foi um dos melhores tintos dos tempos antigos – as pinturas mantiveram seu brilho por mais de vinte séculos. A fonte do cinábrio para os romanos era um grupo de minas perto de Almadén, a sudoeste de Madri, na Espanha. Trabalhar nas minas era extremamente perigoso, já que o mercúrio é altamente tóxico; os mineiros eram escravos ou prisioneiros, e ser enviado para as minas de cinábrio era uma sentença de morte virtual.
História pós-clássica
Na Europa
Após a queda do Império Romano do Ocidente, o vermelho foi adotado como uma cor de majestade e autoridade pelo Império Bizantino, os príncipes da Europa e a Igreja Católica Romana. Também desempenhou um papel importante nos rituais da Igreja Católica – simbolizou o sangue de Cristo e dos mártires cristãos – e associou o poder dos reis aos rituais sagrados da Igreja.
O vermelho era a cor da bandeira dos imperadores bizantinos. Na Europa Ocidental, o imperador Carlos Magno pintou seu palácio de vermelho como um símbolo muito visível de sua autoridade e usava sapatos vermelhos em sua coroação. Reis, príncipes e, a partir de 1295, os cardeais católicos romanos começaram a usar o hábito de cor vermelha. Quando Abbe Suger reconstruiu a Basílica de Saint Denis fora de Paris, no início do século XII, ele adicionou vitrais coloridos de vidro azul-cobalto e vidro vermelho colorido com cobre. Juntos, eles inundaram a basílica com uma luz mística. Logo, vitrais foram adicionados às catedrais em toda a França, Inglaterra e Alemanha. Na pintura medieval, o vermelho era usado para atrair a atenção para as figuras mais importantes; tanto Cristo como a Virgem Maria eram comumente pintados usando mantos vermelhos.
Roupas vermelhas eram um sinal de status e riqueza. Foi usado não apenas por cardeais e príncipes, mas também por mercadores, artesãos e pessoas da cidade, particularmente em feriados ou ocasiões especiais. Tintura vermelha para a roupa de pessoas comuns foi feita a partir das raízes da rubia tinctorum, a planta mais louca. Esta cor inclinou-se para o vermelho tijolo, e desbotou-se facilmente ao sol ou durante a lavagem. Os ricos e aristocratas usavam roupas escarlates tingidas com kermes ou carmim, feitos do ácido carmínico em pequenos insetos femininos, que viviam nas folhas de carvalhos da Europa Oriental e ao redor do Mediterrâneo. Os insetos foram recolhidos, secos, esmagados e cozidos com ingredientes diferentes em um processo longo e complicado, que produziu um escarlate brilhante.
O Brasilin era outro corante vermelho popular na Idade Média. Ele veio da árvore de sapanwood, que cresceu na Índia, Malásia e Sri Lanka. Uma árvore semelhante, o pau-brasil, cresceu na costa da América do Sul. A madeira vermelha foi moída em serragem e misturada com uma solução alcalina para fazer corante e pigmento. Tornou-se uma das exportações mais lucrativas do Novo Mundo e deu seu nome à nação do Brasil.
Na ásia
O vermelho tem sido uma cor importante na cultura chinesa, religião, indústria, moda e ritual da corte desde os tempos antigos. A seda era tecida e tingida desde a dinastia Han (25–220 aC). A China detinha o monopólio da fabricação de seda até o século 6 dC, quando foi introduzida no Império Bizantino. No século 12, foi introduzido na Europa.
Na época da dinastia Han, o vermelho chinês era vermelho claro, mas durante a dinastia Tang foram descobertos novos corantes e pigmentos. Os chineses usaram várias plantas diferentes para produzir corantes vermelhos, incluindo as flores do açafre (Carthamus tinctorius), os espinhos e caules de uma variedade de plantas de sorgo chamadas Kao-liang e a madeira da árvore de sapapwood. Para os pigmentos, eles usavam o cinábrio, que produzia o famoso vermelhão ou “vermelho chinês” de laca chinesa.
O vermelho desempenhou um papel importante na filosofia chinesa. Acreditava-se que o mundo era composto de cinco elementos: metal, madeira, água, fogo e terra, e que cada um tinha uma cor. Vermelho foi associado ao fogo. Cada imperador escolheu a cor que seus adivinhos acreditavam que traria mais prosperidade e boa fortuna ao seu reinado. Durante as dinastias Zhou, Han, Jin, Song e Ming, o vermelho era considerado uma cor nobre e era representado em todas as cerimônias da corte, desde coroações até sacrifícios e casamentos.
Red também era um distintivo de classificação. Durante a dinastia Song (906-1279), os funcionários das três primeiras colocações vestiam roupas roxas; os do quarto e quinto vestiam vermelho brilhante; aqueles do sexto e sétimo usavam verde; e o oitavo e nono usavam azul. O vermelho era a cor usada pelos guardas reais de honra e a cor das carruagens da família imperial. Quando a família imperial viajou, seus servos e funcionários acompanhantes levaram guarda-chuvas vermelhos e roxos. De um oficial que tinha talento e ambição, dizia-se “ele é tão vermelho que fica roxo”.
O vermelho também foi destaque na arquitetura imperial chinesa. Nas dinastias Tang e Song, os portões dos palácios costumavam ser pintados de vermelho, e os nobres pintavam a mansão inteira de vermelho. Uma das obras mais famosas da literatura chinesa, Um Sonho de Mansões Vermelhas, de Cao Xueqin (1715 a 1763), versava sobre a vida de mulheres nobres que passavam suas vidas fora da vista pública dentro das paredes de tais mansões. Em dinastias posteriores, o vermelho era reservado para as paredes dos templos e das residências imperiais. Quando os governantes manchus da Dinastia Qing conquistaram o Ming e assumiram a Cidade Proibida e o Palácio Imperial em Pequim, todas as paredes, portões, vigas e pilares foram pintados de vermelho e dourado.
O vermelho não costuma ser usado em pinturas tradicionais chinesas, que geralmente são de tinta preta sobre papel branco, com um pouco de verde às vezes adicionado para árvores ou plantas; mas os selos redondos ou quadrados que contêm o nome do artista são tradicionalmente vermelhos.
História moderna
Nos séculos 16 e 17
Na pintura renascentista, o vermelho era usado para chamar a atenção do espectador; era freqüentemente usado como a cor do manto ou traje de Cristo, a Virgem Maria ou outra figura central. Em Veneza, Ticiano era o mestre dos finos vermelhos, particularmente vermelhão; ele usou muitas camadas de pigmento misturado com um esmalte semitransparente, que deixou a luz passar, para criar uma cor mais luminosa.
Durante o Renascimento, as rotas comerciais foram abertas para o Novo Mundo, para a Ásia e Oriente Médio, e novas variedades de pigmento vermelho foram importadas para a Europa, geralmente através de Veneza, Gênova ou Sevilha, e Marselha. Veneza era o principal depósito de importação e fabricação de pigmentos para artistas e tintureiros do final do século XV; o catálogo de um Vendecolori veneziano, ou vendedor de pigmentos, de 1534 incluía vermelhão e kermes.
Havia guildas de tintureiros que se especializavam em vermelho em Veneza e outras grandes cidades européias. A planta de Rubia foi usada para fazer o corante mais comum; produzia uma cor vermelho-alaranjada ou vermelho-tijolo usada para tingir as roupas de comerciantes e artesãos. Para os ricos, o corante usado era o kermes, feito de um inseto de pequena escala que se alimentava dos galhos e folhas do carvalho. Para aqueles com mais dinheiro, havia cochonilha polonesa; também conhecido como Kermes vermilio ou “Blood of Saint John”, que foi feito a partir de um inseto relacionado, o Margodes polonicus. Fez um vermelho mais vívido do que o comum Kermes. A variedade mais fina e mais cara de vermelho feita de insetos era o “Kermes” da Armênia (cochonilha armênia, também conhecida como persa kirmiz), feito coletando e esmagando Porphyophora hamelii, um inseto que vivia nas raízes e caules de certas gramíneas. Os comerciantes de pigmentos e corantes de Veneza importavam e vendiam todos esses produtos e também produziam sua própria cor, chamada vermelho veneziano, que era considerado o vermelho mais caro e mais fino da Europa. Seu ingrediente secreto era o arsênico, que iluminava a cor.
Mas no início do século 16, um novo vermelho brilhante apareceu na Europa. Quando o conquistador espanhol Hernán Cortés e seus soldados conquistaram o Império Asteca em 1519-21, eles descobriram lentamente que os astecas tinham outro tesouro ao lado de prata e ouro; eles tinham a pequena cochonilha, um inseto de escamas parasitas que vivia de cactos que, quando secos e esmagados, produziam um magnífico vermelho. A cochonilha do México estava intimamente relacionada às variedades Kermes da Europa, mas, diferentemente do europeu Kermes, podia ser colhida várias vezes ao ano, e era dez vezes mais forte que os Kermes da Polônia. Funcionou particularmente bem em seda, cetim e outros têxteis de luxo. Em 1523, Cortés enviou o primeiro carregamento para a Espanha. Logo a cochonilha começou a chegar em portos europeus a bordo de comboios de galeões espanhóis.
A princípio, as guildas de tintureiros em Veneza e em outras cidades proibiam a cochonilha de proteger seus produtos locais, mas a qualidade superior da tintura de cochonilha tornava impossível resistir. No início do século XVII, era o vermelho de luxo preferido para as roupas de cardeais, banqueiros, cortesãs e aristocratas.
Os pintores do início do Renascimento usavam dois pigmentos tradicionais de lago, feitos da mistura de corantes com giz ou alume, lago kermes, feitos de insetos de quermes e lago mais louco, feito da planta rubia tinctorum. Com a chegada da cochonilha, eles tinham um terceiro, o carmim, que produzia um carmesim muito fino, embora tivesse uma tendência a mudar de cor se não fosse usado com cuidado. Foi usado por quase todos os grandes pintores dos séculos XV e XVI, incluindo Rembrandt, Vermeer, Rubens, Anthony van Dyck, Diego Velázquez e Tintoretto. Mais tarde foi usado por Thomas Gainsborough, Seurat e JMW Turner.
Nos séculos XVIII e XIX

Durante a Revolução Francesa, os jacobinos e outros partidos mais radicais adotaram a bandeira vermelha; foi tirado de bandeiras vermelhas içadas pelo governo francês para declarar estado de sítio ou emergência. Muitos deles usavam um gorro vermelho da Frígia, ou boné da liberdade, inspirado nos bonés usados ​​pelos escravos libertos na Roma Antiga. Durante o auge do Reinado do Terror, as mulheres vestindo bonés vermelhos reuniram-se em torno da guilhotina para celebrar cada execução. Eles foram chamados de “Fúrias da guilhotina”. As guilhotinas usadas durante o Reinado do Terror em 1792 e 1793 foram pintadas de vermelho ou feitas de madeira vermelha. Durante o Reinado do Terror, uma estátua de uma mulher intitulada liberdade, pintada de vermelho, foi colocada na praça em frente à guilhotina. Após o fim do Reino do Terror, a França voltou ao tricolor azul, branco e vermelho, cujo vermelho foi tirado das cores vermelha e azul da cidade de Paris, e era a cor tradicional de Saint Denis, o mártir cristão e padroeiro de Paris.
Em meados do século XIX, o vermelho tornou-se a cor de um novo movimento político e social, o socialismo. Tornou-se a bandeira mais comum do movimento operário, da Revolução Francesa de 1848, da Comuna de Paris em 1870 e dos partidos socialistas em toda a Europa. (veja bandeiras vermelhas e seção de revolução abaixo).
À medida que a Revolução Industrial se espalhava pela Europa, os químicos e os fabricantes procuravam novos corantes vermelhos que pudessem ser usados ​​para a fabricação em larga escala de têxteis. Uma cor popular importada para a Europa da Turquia e da Índia no século XVIII e início do século 19 era o vermelho da Turquia, conhecido na França como rouge d’Adrinople. A partir da década de 1740, essa cor vermelha brilhante foi usada para tingir ou imprimir tecidos de algodão na Inglaterra, na Holanda e na França. O vermelho de peru usava a cordeirada como o corante, mas o processo era mais longo e mais complicado, envolvendo a imersão múltipla dos tecidos em soda cáustica, azeite de oliva, esterco de ovelha e outros ingredientes. O tecido era mais caro, mas resultou em um vermelho brilhante e duradouro, semelhante ao carmim, perfeitamente adequado ao algodão. O tecido foi amplamente exportado da Europa para a África, Oriente Médio e América. Na América do século XIX, foi amplamente usada na fabricação da tradicional colcha de retalhos.
Em 1826, o químico francês Pierre-Jean Robiquet descobriu o composto orgânico alizarina, o poderoso ingrediente corante da raiz mais louca, o corante vermelho mais popular da época. Em 1868, os químicos alemães Carl Graebe e Liebermann conseguiram sintetizar a alizarina e produzi-la a partir do alcatrão de carvão. O vermelho sintético era mais barato e mais duradouro do que o corante natural, e a plantação de mais louco na Europa e a importação de cochonilha da América Latina logo cessaram quase completamente.
O século XIX também viu o uso do vermelho na arte para criar emoções específicas, não apenas para imitar a natureza. Ele viu o estudo sistemático da teoria das cores e, particularmente, o estudo de como as cores complementares, como vermelho e verde, reforçavam umas às outras quando eram colocadas lado a lado. Esses estudos foram avidamente acompanhados por artistas como Vincent van Gogh. Descrevendo sua pintura, The Night Cafe, para seu irmão Theo em 1888, Van Gogh escreveu: “Eu tentei expressar com vermelho e verde as terríveis paixões humanas. O salão é vermelho sangue e amarelo pálido, com uma mesa de bilhar verde no centro e quatro lâmpadas de amarelo limão, com raios de laranja e verde. Em todos os lugares é uma batalha e antítese dos mais diferentes vermelhos e verdes “.
Nos séculos 20 e 21
No século 20, o vermelho era a cor da Revolução; foi a cor da Revolução Bolchevique de 1917 e da Revolução Chinesa de 1949 e, posteriormente, da Revolução Cultural. O vermelho era a cor dos partidos comunistas da Europa Oriental a Cuba e ao Vietnã.
No final do século 19 e início do século 20, a indústria química alemã inventou dois novos pigmentos vermelhos sintéticos: o cádmio vermelho, que era a cor do vermelhão natural, e o vermelho mars, que era um ocre vermelho sintético, a cor do primeiro vermelho natural. pigmento.
O pintor francês Henri Matisse (1869-1954) foi um dos primeiros pintores proeminentes a usar o novo cádmio vermelho. Ele até tentou, sem sucesso, convencer o mais velho e mais tradicional Renoir, seu vizinho no sul da França, a mudar de vermelhão para cádmio vermelho.
Matisse foi também um dos primeiros artistas do século XX a fazer da cor o elemento central da pintura, escolhida para evocar emoções. “Um certo azul penetra sua alma”, escreveu ele. “Um certo vermelho afeta sua pressão arterial.” Ele também estava familiarizado com o modo como as cores complementares, como vermelho e verde, reforçavam umas as outras quando eram colocadas uma ao lado da outra. Ele escreveu: “Minha escolha de cores não é baseada na teoria científica; é baseada na observação, nos sentimentos, na natureza real de cada experiência … Eu apenas tento encontrar uma cor que corresponda aos meus sentimentos”.
No final do século, o artista americano Mark Rothko (1903-1970) também usou o vermelho, de forma ainda mais simples, em blocos de cor escura e sombria em grandes telas, para inspirar emoções profundas. Rothko observou que a cor era “apenas um instrumento”; seu interesse era “expressar emoções humanas como tragédia, êxtase, desgraça e assim por diante”.
Rothko também começou a usar os novos pigmentos sintéticos, mas nem sempre com resultados felizes. Em 1962, ele doou para a Universidade de Harvard uma série de grandes murais da Paixão de Cristo, cujas cores predominantes eram rosa escuro e carmesim profundo. Ele misturou principalmente cores tradicionais para fazer o rosa e carmesim; sintético ultramarine, cerulean blue e titanium white, mas ele também usou dois novos vermelhos orgânicos, Naphtol e Lithol. O Naphtol fez bem, mas o Lithol mudou de cor lentamente quando exposto à luz. Em cinco anos, os tons de rosa e vermelho começaram a ficar azuis e, em 1979, as pinturas foram arruinadas e tiveram de ser retiradas.



VEJA TAMBÉM

0 comentários