POESIA DA SEMANA - TIAGO ORTAET - EDITORA ANTROPOLETRAS

por - 21 novembro


ESTANDARTE

Defendo o porte de livros; munição literária, arte como alvo, juventude libertária e meu aluno à salvo... 

Meu aluno é a luz! Todos são átomos de impulso que não se governa...

Os professores os acendem, emoção e união que não se rendem... 

Um clarão que vem do iluminar dessa lanterna, pra acender esse pântano e sair dessa caverna.

Se meu aluno é vela, a arte é o pavio...
Essência da favela, mensagem e arrepio...
Se a arte é o oceano, somos o navio... Nosso tsunami pode lavar essa guerra civil.

Nosso verbo tá na ponta da língua, na ponta do lápis e no conto desse Brasil; abaixo à censura, ninguém me segura, por que aqui fulgura a ancestralidade de jovens negros diante do mar azul anil; dizendo: Abaixe esse fuzil!

Professor é remetente, meio e mensagem, estudante é minério dourado que sela a embalagem...

Nosso estopim; poesia, curumim e letras em artilharia...

Nosso fervor, se atente, por favor, nos multiplicamos mais do que capim; nessa prontidão noite e dia.

Em meio a esse obscurantismo que TEM fim, ah se tem; iluminismo de mim com alguém!

Somos a áurea de cada menino e menina desse chão, mesmo nosso ato estando previsto na constituição; insisto na inspiração dos nossos sonhos em manifesto e livro na mão.

Que a bala perdida seja somente a goma que caiu atrás do sofá, que a caminhada, mesmo sofrida, possa ter poesia sortida, menino ousado, menina atrevida, como quem se atreve a ser feliz; nossa arte; de cores, cenas, gestos, melodias e matiz, aponta o dedo pro horizonte, do mesmo modo que a tinta vermelha no nariz, como quem diz “respeite a nossa cultura, nossa identidade raiz; feliz dia de professar todo esse valor, todo dia é dia de poesia, de estudante e de praticar o amor, todo dia é dia do professor ”

Tiago Ortaet

VEJA TAMBÉM

0 comentários