ELETIVA: PATRIMÔNIO HISTÓRICO, ARTÍSTICO E CULTURAL (conteúdo para leitura)

por - 03 junho

Foto de Massami Kishi - década de 50
Antiga Fábrica Adamastor   
Patrimônio Cultural de Guarulhos 

Sediada na Avenida Monteiro Lobato, no bairro Macedo, próxima à rodovia Presidente Dutra, a antiga fábrica de Casimiras Adamastor, atualmente um centro educacional e cultural, foi à primeira indústria de grande porte da cidade de Guarulhos. A tecelagem foi responsável por produzir, segundo alguns relatos, um dos melhores tecidos vendidos no país. Além de estar na memória da população local, seu edifício é hoje o último importante documento arquitetônico do início do processo de industrialização do município.
Inaugurada em 1946 em um terreno que outrora fora uma chácara e em seguida uma fábrica de cerâmica, funcionou no mesmo local até a década de 1980. Após sua falência, o espaço foi alugado para um atacadista do ramo de estofados e, posteriormente, para uma pista de kart. No entanto, esse último empreendimento também encerrou suas atividades e o local permaneceu vazio por um longo período.  Em 26 de dezembro de 2000, pelo decreto nº 21443/2000, as suas antigas instalações foram tombadas como patrimônio histórico. No ano seguinte, pelo decreto nº 21.226/2001, foi realizado a desapropriação do edifício pela prefeitura com a finalidade de transformar o espaço num centro educacional. A partir de 2003, sob a responsabilidade do arquiteto Ruy Othake, iniciou-se a restauração e a reestruturação do edifício.

Obras para construção do complexo educacional e cultural ADAMASTOR - 2003
Da antiga fábrica foi mantida a estrutura geral do prédio e, principalmente, a chaminé de tijolos alta e imponente, que com seus 50 metros de altura é o símbolo do conjunto arquitetônico. Todo o projeto para transformá-lo no centro educacional foi pensado de uma forma que não descaracterizasse o imóvel e, consequentemente, alterasse a imagem histórica e afetiva guardada entre os habitantes de Guarulhos. Além da restauração dos quase oito mil metros quadrados do pavilhão, foi construído um prédio novo vizinho ao antigo. Com suas fachadas envidraçadas e de formato elíptico, o novo edifício tem uma linguagem  contemporânea. 
A restauração da antiga fábrica  e sua transformação num equipamento cultural para a cidade ganhou uma grande força simbólica e hoje se constitui num dos principais marcos históricos de identidade urbana para a população de Guarulhos.


Fonte:
• Espaço AAPAH – Publicado na GuarulhosWeb , em 23 de outubro de 2016 ;
• CONVERSANDO SOBRE PATRIMÔNIO INDUSTRIAL, de Telma Bessa Sales

VEJA TAMBÉM

0 comentários